quarta-feira, 28 de maio de 2014

SEXORCISTA - Literatura do medo

Lendo "SEXORCISTA", do meu amigo e escritor, Oscar Nestarez.

Narrativa rápida, atmosfera estranha, personagens complexos que nos causam pavor, angústia e medo. Inspirado por Edgar Alan Poe, Oscar Nestarez deu vida a contos obscuros que nos fazem encarar o pior que há escondido dentro de todo ser humano, a sua sombra.
 
Seria o orgasmo uma manifestação do nosso lado demoníaco? Nossos prazeres são legítimos ou consequência de nossos distúrbios internos?

Apaixonado por histórias de terror insólitas e pelos autores que consolidaram o gênero como Edgar Allan Poe, H. P. Lovecraft, Bram Stoker, Henry James e Clive Barker, Oscar Nestarez presenteia os leitores brasileiros com uma obra intensa, com algumas tramas ambientadas em nosso país.

O autor também publicou um livro sobre o tema chamado: 'POE E LOVECRAFT: UM ENSAIO SOBRE O MEDO NA LITERATURA, pela editora Livrus.

Recomendo a todos que apreciam a literatura do medo!

segunda-feira, 26 de maio de 2014

Palestra "A Literatura e a Psicanálise" - Rio de Janeiro, Abril/2014



Vídeo da Palestra "A Literatura e a Psicanálise", realizada no Planetário da Gávea/RJ, em parceria com a Dra. Carmem Dametto, no dia 26.04.2014.

domingo, 25 de maio de 2014

UM BRINDE AO COURSERA!

"Não importa o quão inteligente você é, não existe limite para o que você ainda pode aprender." 

Há dois meses não consigo distinguir a segunda-feira do sábado ou do domingo. Isso está ocorrendo porque descobri o site  Coursera, uma plataforma virtual que tem mais de 130 universidades parceiras pelo mundo, e que oferece mais de 600 cursos online de forma gratuita. E desde então tenho estado conectada todos os dias para aprender, aprender e aprender.

Fiz o primeiro curso no MOMA - Museu de Arte Moderna de Nova Iorque, e fiquei viciada. Ontem concluí o curso WARHOL, pela Universidade de Edimburgo e o Tate Modern, e ainda estou participando de mais dois cursos para melhorar o empenho dos professores em sala de aula.

As grandes universidades do mundo abriram suas portas para compartilhar todo o conhecimento que acumularam durante muitos anos de existência e pesquisa. Mesmo assim, ainda há pouca gente interessada em aproveitar ao máximo esse presente.

Peço a todos que visitem o site do Coursera e matriculem-se na sala de aula mais legal do mundo!

quarta-feira, 21 de maio de 2014

THE DOLLAR SIGN REVOLUTION



*Artigo de conclusão do curso "Warhol", ministrado pela Universidade de Edimburgo, Escócia, em parceria com o Tate Modern, Londres.
 

THE DOLLAR SIGN REVOLUTION
By Tamara Ramos
 
About this work of art:
Related subject: MONEY
The Dollar Sign: part of a serie produced in the 1980’s
Technique:  stamped twice with the Estate of Andy Warhol stamp synthetic polymer and silkscreen ink on canvas ,90 x 70 in. (229 x 178 cm.) Painted in 1981.
Currently on sale at Christie's for 3 million dollars.
 
 
The ideological message conveyed by visual information in each work of Andy Warhol is explicit and easy to grasp. The obsession with the mythical universe of celebrities, breaking sexual taboos, the reinterpretation of pictorial objects of our daily life, self-image tribute and repetition of ideas that fade in clear colors, are immediately captured in the work of Warhol. But the relationship that the artist established between art and money, leading a work of art to achieve market values ​​as high as objects of commercial market, is his greatest legacy.
 
More than  a simple  artist, Andy Warhol was a businessman with keen instincts. One of the most famous phrases said by Warhol reveals his fascination with the art as business: "Being good in business is the most fascinating kind of art. Making Money is art and work is art and good business is the best art".
 
Capitalism is capable of performing social inclusion mass, and no one understood this concept better than Andy Warhol.
 
Warhol’s thought was focused not on mere capitalist consumption, but which it represented symbolically. Big brands like Coca-Cola and Campbell Soup, both represented and made iconic by him, are symbols of an illusion that gives the idea of ​​equality between rich and poor. The mass consumption of commercial products allows for a sense of closeness between opposing social classes. Obsessed as it was by the unattainable world of glamor represented by Hollywood, Warhol liked to feel part of this environment through consumption of popular products: "What’s great about this country is America started the tradition where the richest consumers buy essentially the same things as the poorest. You can be watching TV and see Coca-Cola, and you can know that the President drinks Coke, Liz Taylor drinks Coke, and just think, you can drink Coke, too. A Coke is a Coke and no amount of money can get you a better Coke than the one the bum on the corner is drinking. All the Cokes are the same and all the Cokes are good".

200 Dollar Bills, one of his first masterpieces, due to the mass duplication of images allowed by silk-screening, ultimately became his calling card. The symbol of money was a constant in the career of Andy Warhol as One Million Dollar Bill (1950), Dollar Bill silkscreen (1960), and Dollar Signs series (1980). 
 
The simple image of the dollar eventually attracts more money.In November 2009, Warhol’s piece of artwork based on money was expected to auction at Sotheby’s for approximately $8 to $12 million. Instead, 200 One Dollar Bills sold for $43,762,500  to an anonymous buyer. Crunching the numbers, this comes out to a whopping $ 218.812 per screen printed dollar! 
 
This was only possible because Warhol did not see the money as bad as it was common to many artists before his time. To Andy Warhol, the money was just a symbol and our relationship with that image is that defines whether we are rich or poor. He noticed that Money itself was a piece of artwork, as an  illustrated piece of paper, and it was printed in a massive way. So, while everybody was carrying art in their pockets, he decided to put this image on the wall as a real work of art. 
 
The Nobel Prize in literature, the Peruvian writer Mario Vargas Llosa, in his book "The Civilization of the Spectacle" says: "For this new culture are essential to industrial mass production and commercial success. The distinction between price and value is deleted, both are now one and the first absorbed and canceled the second. It's good to have success and sold; bad that fails and not winning the public. The only value is commercial. The disappearance of the old culture implied the disappearance of the old culture of value. The only existing value is now determined by the market.” 
 
Llosa's essay, published in 2013, echoes the speech of Andy Warhol from the early '60s. Andy Warhol was the forerunner of the movement that validated the artwork bringing its commercial price. Thanks to Andy Warhol, Damien Hirst become a millionaire painting colorful pots without guilt.

quarta-feira, 14 de maio de 2014

II Feira Literária de Urupês - Maio/2014






Feliz. Essa é a palavra que me vem à mente quando tento resumir o que senti participando da Feira Literária de Urupês que aconteceu entre os dias 12 e 13 de maio, no norte do Estado de São Paulo.  
 
Crianças, jovens e profissionais da cultura motivados, inteligentes, participativos e extremamente carinhosos foi o que encontrei na cidade de Urupês essa semana. Sempre me emociono quando falo para o público, viajo pelo Brasil e tenho a oportunidade de compartilhar meus saberes. Acredito que o artista tem que ir aonde o povo está, e as quase oito horas de viagem que me levaram até Urupês, valeram a pena!  
 
Obrigada pelo carinho, Urupês! Valeu! 

terça-feira, 13 de maio de 2014

II Feira Literária de Urupês/SP - Dia 12.05.14







 
Hoje teve início a II Feira Literária de Urupês, em São Paulo. O evento reuniu um time de escritores da pesada  e contou com a presença do editor Silvio Alexandre, criador do maior evento de literatura fantástica do país, o Fantasticon.  Estarei em Urupês até amanhã ministrando oficinas de escrita criativa, palestras e treinamentos para professores. 
 
A oficina de escrita criativa e artística "A janela de Matisse", que é parte integrante do projeto "Arte & Literatura - Estratégias de ensino da escrita por meio arte", contou com a presença de 130 crianças entre 11 e 13 anos. Fiquei encantada com a participação ativa deles, as perguntas inteligentes e o carinho que tiveram comigo.  
 
À noite realizei o treinamento para professores que os ensina a aplicar técnicas de escrita por meio da observação de obras de arte. Este evento é muito importante para a cidade de Urupês e estou feliz por fazer parte do time de autores convidados!  

quinta-feira, 1 de maio de 2014

Dra. Cláudia Pacheco e a Psicanálise Integral





Minhas últimas descobertas no campo da Psicanálise, levaram-me a conhecer um trabalho maravilhoso que tem origem no Brasil. Trata-se da Psicanálise Integral, criada pelo psicanalista brasileiro, Dr. Norberto Keppe. Esta noite tive a alegria de visitar a clinica do Dr. Keppe pessoalmente em São Paulo, e conheci a Dra. Cláudia Pacheco. A Dra. Cláudia é autora de vários dos livros que estão atualmente na minha mesa de cabeceira como "As mulheres no divã", "Psicoterapias Alienantes" e "A cura pela consciência". Saí da clínica encantada com a simpatia da Dra. Cláudia e com mais dois livros de sua autoria, autografados! Foi uma honra!   
 

A LITERATURA E A PSICANÁLISE: Palestra




 
 
"Resta saber se a loucura não representa, talvez, a forma mais elevada de inteligência”.
 - Edgar Allan Poe
 
No dia 26 de maio, a psiquiatra e psicanalista, Dra. Carmem Dametto e eu, realizamos juntas uma palestra sobre a relação entre a literatura e a psicanálise no Planetário da Gávea, no Rio de Janeiro.
 
Essa palestra fala sobre as relações existentes entre a literatura, a criatividade e a loucura. Apresentamos uma seleção extensa de vários escritores que possuíam distúrbios emocionais, como hiperatividade, depressão, narcisismo, neurose e personalidade psicótica. Sigmund Freud, o pai da psicanálise, criou essa nova ciência com base no estudo dos grandes clássicos da literatura, como as tragédias gregas e a obra de Shakespeare.
A palestra também apresenta as novas descobertas da ciência moderna sobre a mente dos artistas.