terça-feira, 27 de dezembro de 2011

AOS ANIVERSARIANTES DO DIA



Eu simplesmente adoro o dia do meu aniversário. Acho uma bobagem esconder a idade, ficar deprimido e dar atenção aos sintomas de nostalgia. A data do aniversário é um marco importante, pois significa que sobrevivemos a mais um ano e triunfamos.


Sou uma apaixonada pela vida e uma otimista incorrigível. Não me lembro de ter acordado de mau humor nunca. Todas as manhãs levanto feliz, pois sei que tenho mais um dia pela frente e ele pode vir repleto de surpresas e novidades inesperadas. Pode parecer bobo e ingênuo, mas espero sempre pelo melhor.


Na minha casa é tradição: dia 27 de dezembro é o dia de receber os amigos. Gosto de celebrar a data próxima às pessoas que mais amo. Faço festa, abro vinho, canto parabéns, vou para a cozinha e comemoro mais um ano de vitórias com muita satisfação. Para mim celebrar é viver. Celebrar é ser agradecido aos muitos milagres que acontecem em nossa vida.


Dia do aniversário não é momento para se chatear com nada. Nem devemos ficar triste com as pessoas que esquecem a data ou que não se fazem presente. Dia do aniversário é motivo pra ser feliz por se estar vivo, e só isso já vale uma grande comemoração.


Desejo a todos os capricornianos do dia 27 de dezembro um feliz aniversário! Que nossos sonhos se realizem e que nossas forças estejam redobradas para o novo ano que entra!




PARABÉNS PARA NÓS! :)

segunda-feira, 26 de dezembro de 2011

INSPIRE-SE NOS MELHORES E SUPERE A SI MESMO EM 2012






Estamos chegando ao fim de 2011. Neste período sempre paro para repensar meu percurso. Gosto de me olhar no espelho friamente e identificar sem medo quais as metas conquistadas e quais ficaram para trás.



De modo geral creio que 2011 foi um divisor de águas na minha vida. Alcancei algumas das principais metas que havia planejado. As que falharam serão novamente perseguidas em 2012. Mas é sobre o sucesso que vou falar aqui, e não sobre o fracasso.


Todo mundo que me acompanha sabe de cor e salteado que meus heróis são pessoas especiais, alguém que conseguiu destacar-se no meio da multidão homogênea, aceitou o peso de sua própria diferença e lutou com todas as forças pelos mais utópicos ideais. Neste mês de dezembro (mês especial para mim por ser a data do meu nascimento), dei a mim mesma de aniversário algumas horas passadas diante de duas mulheres que me influenciam muito: Maria Callas e J K Rowling. Duas mulheres incríveis que alcançaram o poder máximo dentro do universo da sua arte.



Maria Callas, La Divina, era uma mulher de personalidade indomável. As entrevistas dela chocam pelo excesso de sinceridade e absoluta ausência de medo. Estou lendo mais uma biografia sobre a vida dela e tenho assistido a todas as entrevistas que a diva deu no auge da fana. Com Callas aprendi que não faz mal ser sincera. Identifiquei em mim mesma alguns traços semelhantes em nossa personalidade, embora minha voz não chegue nem aos pés da dela. Nossa igualdade se apresenta no momento do discurso. Maria Callas às vezes perdoa, mas jamais esquece. Maria Callas crê que laço sanguinio não determina afinidade. Maria Callas acredita que a determinação máxima à sua arte não é vocação, mas disciplina conquistada com esforço. Maria Callas amou de forma profunda e catástrófica. Maria Callas jamais foi mãe. Maria Callas era única e extraordinária.


J K Rowling é uma personalidade que me fascina há bastante tempo. Como escritora é fácil entender porque. Mas ontem eu assisti a uma entrevista dela simplesmente fantástica na Oprah. A própria Oprah admitiu que esta foi sem dúvida a melhor entrevista que ela fez em toda a carreira. A trajetória de J K Rowling, por incrível que pareça, se assemelha a minha. Ou vice- versa. Rowling levou sete anos levando não das editoras que não conseguiram enxergar a poderosa extravangância de Harry Potter. Rowling foi para Portugal, onde se envolveu com a pessoa errada. Rowling tem pânico de direção e ainda hoje, mesmo possuindo motorista, ainda anda de ônibus. Rowling foi do divórcio para a miséria sem encontrar atalhos, mas sobreviveu e superou. Rowling nunca desistiu dos seus sonhos. Rowling escreve desde a adolescência e sempre desejou ser escritora. Rowling não perdeu a alma rebelde escondida sob os vestidos caros que usa hoje. Rowling venceu.



Estas duas mulheres ajudam-me a compreender e a aceitar melhor a mim mesma. Estas duas mulheres me dão forças para continuar. Estas duas mulheres estão muito bem representadas em suas biografias que adormecem na cabeceira da minha cama.



Sugiro ao leitor que passe estes últimos dias de 2011 ao lado de pessoas que o inspirem a melhorar e a evoluirem em seus trabalhos. Esteja atento aos conselhos de suas divas ou seus heróis. Aprenda com eles. Tanto faz se seu herói é o Pelé ou o imperador romano Adriano, como escolheu Yourcenar. Dê ouvido apenas às palavras de incentivo e observe apenas os modelos de sucesso.



Releia um livro que lhe causou forte impacto. Assista a um filme que lhe provocou desejos de mudanças. Ouça uma música que marcou positivamente algum momento da sua vida.


Entre em 2012 motivado a fazer mais por você mesmo e pelo seu trabalho. Assista aos dançarinos do Bolshoi. Inspire-se na arte da disciplina. Supere todas as suas próprias expectativas neste novo ano que já vem chegando.




FELIZ 2012!

terça-feira, 20 de dezembro de 2011

TUDO É POSSÍVEL, SÓ DEPENDE DE VOCÊ.



"Se você comete erros, é sinal de que está tentando coisas novas"

Einstein



"O universo gosta de velocidade, não hesite. Quando a oportunidade ou o impulso está lá, AJA."

Rhonda Byrne



"Os 3 passos da Lei da Atração: 1) Peça, 2) Acredite, 3) Receba."

Fundamento básico da lei da atração.




Muito se ouviu falar sobre a Lei da Atração e muito se questionou sobre sua veracidade e forma de aplicação. No início era uma febre. Todo mundo tentava colocar em prática e o discurso no meio das pessoas entendidas sobre o assunto era igual. Um incentivava o outro a testar mais coisas, a aumentar o pedido, a ir além.




Mas parece que aquilo foi um modismo que passou e as pessoas retornaram ao velho padrão de dúvidas, medo e hesitação. E isso é uma pena...




Existe um conceito básico, uma teoria básica sobre a vida que simplesmente não pode ser negada: o universo é mental. Podem dizer o que quiserem, mas não vão conseguir afetar este príncipio: PENSAMENTOS TORNAM-SE COISAS. Tudo o que até hoje foi concebido pelo homem é proveniente da sua mente. Primeiro pensamos e depois realizamos.


Não acredita? Façamos um teste: olhe ao seu redor. Escolha qualquer objeto que lhe chame a atenção. Pode ser uma caneta, uma cadeira, um sapato, uma mesa, o que for. Agora me responda, de onde veio este objeto? A resposta é uma só: o objeto que está olhando neste momento nasceu da mente de alguém. Ele foi idealizado a nível mental antes de vir à existência.



A vida que você leva hoje, com todos os prós e contras que há, é fruto do seu processo de criação mental. Preste atenção ao que está ocorrendo a você, porque tudo isso é fruto das escolhas que está fazendo. Quando ficamos arraigados a uma ideia, ela torna-se a força propulsora de nossas ações. Agimos de acordo com nossos conceitos. Mas muitas vezes, nossos conceitos estão obsoletos ou já não são adequados à nossa vida. Porém, o medo do novo deixa-nos estagnados.



Há milhões de possibilidades no universo, então por quê insistimos em fazer sempre as mesmas escolhas? Quando optamos por algo, excluímos todo o resto. E quando optamos diversas vezes pela mesma coisa, limitamos radicalmente nossas possibilidades.



Para quem é religioso pode compreender melhor as teorias da Lei da Atração no processo da oração. Quando oramos estamos botando toda nossa energia no desejo que estamos fazendo. Quando pedimos um milagre específico, estamos emitindo um desejo profundo ao universo. E como budista eu sei que não há oração sem resposta. O problema mora justamente aí. Os passos da lei da atração são os mesmos da lei da oração:



1) PEDIR: Devemos estabelecer em nossa mente as nossas prioridades. O que realmente desejamos para nossas vidas? Pinte uma tela mental. O que é a imagem da felicidade para você?


Assim que definir o seu pedido, siga adiante.




2) ACREDITAR: Neste ponto a lei da atração é idêntica à lei da oração porque trata-se da fé. Definido e feito o seu pedido, você deve acreditar que ele é possível. E aqui há um truque simples que deve ser colocado em prática: ACREDITE COMO SE JÁ EXISTISSE. AJA COMO SE JÁ TIVESSE RECEBIDO O QUE PEDIU. IMAGINE QUE AQUILO QUE PEDIU JÁ ESTÁ VINDO A SEU ENCONTRO.



3) RECEBER: Para mim este é o ponto decisivo no processo de criação. Após pedir e acreditar que vai conseguir realizar seu sonho, você tem que estar aberto a recebê-lo. Não adianta nada você desejar um carro novo, pedir e acreditar se quando a oportunidade aparecer, você optar por manter o carro velho. Se isso acontecer, você estará desperdiçando o maior poder da vida, o poder de transformar a sua realidade. Por isso que todos os estudiosos da lei da atração falam sobre o problema da hesitação. NÃO HESITE. Quando a oportunidade aparecer, e ela sempre aparece, AJA.



Estamos às portas de um novo ano o que é uma excelente oportunidade para fazermos um balanço profundo sobre as escolhas que estamos fazendo. Resgate estes ensinamentos que, por negligência ou comodismo, esqueceu na gaveta. Você quer mudanças para o próximo ano ou deseja continuar vivendo da mesma forma? Vai tentar algo diferente ou vai continuar estagnado em situações que são nocivas para você? Lembre-se: é uma escolha pessoal sua. Não há certo ou errado neste processo, há apenas aquilo que você determina que é bom ou não para você. A vida não faz julgamentos. O juíz da nossa vida somos nós mesmos.



Desejo aos meus leitores que consigam fazer as mudanças necessárias em suas vidas neste novo ano que entra. Tenham firmeza, sejam visionários, criem uma nova realidade agora mesmo para vocês. TUDO É POSSÍVEL, SÓ DEPENDE DE VOCÊ.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

SOBRA FELICIDADE...FALTA INSPIRAÇÃO




Conversa entre dois amigos escritores:

Tarcísio: Oi Tamara! Quanto tempo! Tudo bem?

Tamara: Olá! Nossa, faz tempo que não nos falamos! Como vai o blog?

Tarcísio: O blog está abandonado, faz tempo que não posto nada...

Tamara: Tô vendo aqui, não posta nada desde julho... O que houve?

Tarcísio: Eu postava quando era solteiro.

Tamara: O amor aniquilou sua inspiração?

Tarcísio: Acho que sim.

Tamara: Sei como é. O amor deixa o texto meio besta.

Tarcísio: Concordo. Eu escrevia muito mais quando estava angustiado.

Tamara: Pois é...



Sexta-feira à noite. Um monte de besteira na televisão. Todos os livros que estava lendo, já foram lidos. Encontro virtualmente meu amigo Tarcísio França, escritor que eu adoro e acompanho sempre. Conversa vai, conversa vem chegamos à seguinte conclusão: o artista tem que sofrer para escrever. É doído, mas é verdade.


Agora pensa bem, o que seria de Goethe, Kundera, Reich, Pessoa, Proust, Pasternak, Neruda, Joyce e Shopenhauer se eles fossem felizes? Que graça teria Ana Karenina se ela não se atirasse embaixo do trem no final? Que graça teria Werther se não tivesse se suicidado por amor? Que graça teria Oscar Wilde se não tivesse sido preso?


Se a gente olhar bem, todos os clássicos da literatura mundial que amamos trazem um final terrível para chocar o leitor. Acham que isso é técnica ficcional? Não é não. O final infeliz é reflexo da dor do autor.



Tarcísio está paralisado, está sofrendo um bloqueio artístico. Mas sobre o quê ele poderia escrever em meio a tanta felicidade? Vai escrever um livro inteiro para dizer como a vida é bela e o amor é lindo? Que livro mais chato seria! O problema é que o autor só pode escrever sobre as emoções que vive. Como diz Borges, se tudo der certo, o máximo que o autor vai conseguir é falar um pouco sobre si mesmo. E olhe lá...

Eu não gosto dos altos e baixos da minha vida e das minhas relações. Vivo angustiada tentando arrumar meu caos. Mas é justamente quando estou fervendo é que consigo produzir meus melhores textos e meus maiores livros. É lógico que é uma contradição. Mas veja lá, consegue imaginar Camile Claudel produzindo sem parar sem o ódio/amor que sentia por Rodin? Consegue imaginar a vida trágica e triunfal de Callas se não fosse Onassis? Consegue pensar no sucesso de Madonna se a nossa sociedade não fosse pudica e padronizada? Acha que Fernando Pessoa seria o maior poeta do mundo se fosse um homem contente?

Sem falar na Amy Winehouse, né? Back to Black é a maior obra prima de todos os tempos e fala sobre o que? Sobre a miséria de ser abandonada, traída e drogada. Agora imagine se o tal do Blake facilitasse as coisas e fizesse somente declarações de amor incondicional à Amy. Que tipo de disco ela teria produzido?


Não tem jeito. O artista tem que aprender a ver a beleza do seu caos e a importância que ele tem para sua arte. Apenas uma dona de casa sem grandes aspirações pode ser feliz à toa, sem grandes consequências. A felicidade sozinha constrói livros chatos, telas de arte medíocre e música pimba.


Acha que não? Então vai no youtube e escute a música "O Que Será" do Chico Buarque com atenção. Agora escreva lá: Bee Gees. Aqueles caras deviam ser mesmo muito felizes porque ô música chatinha aquela How Deep Is Your Love... Para mim, é a pior música de todos os tempos, mas vai lá...


Agora pega o Paulo Coelho. Lembram quando ele não era ninguém e foi fazer o caminho de Santiago? Pois bem, escreveu uma de suas melhores obras. Agora pegue o último livro dele, o tal do Aleph, e veja se consegue passar da página 30. Não vai conseguir, e sabe por que? Porque o cara devia estar feliz pra caramba quando escreveu!



Tarcísio, somos amigos e sei que eu deveria estar feliz pela sua felicidade, mas se ela for o preço que terá que pagar por sua arte...é melhor arrumar um sofrimentozinho por aí.


Você é genial. Não deixe a felicidade absoluta banalizar sua obra.


De vez em quando é necessário uma crise existencial, um pouco de raiva, insatisfação e poder de indignação pro motor da arte funcionar direito. Sei lá, arruma briga doméstica, discuta com um guarda de trânsito, xinga um político em pleno plenário, manda uma carta desaforada para a Dilma. Se vira, mas volte a escrever!


Para quem não conhece o talento do Tarcísio França, clique aqui:



E vão ver como ele é genial quando está meio infeliz.

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

SERÁ AMOR?

Amor sem sexo

É amizade

Sexo sem amor

É vontade...



Rita Lee





Paixão é desejo ardente, vontade de ligar, de comer, embriagar.

Paixão é festa, diversão, é uma montanha russa de altos e baixos.

Paixão é fogo que queima, madeira que parte, cama desfeita.

Paixão é irracional, animal, visceral.



Amor é construído.

Vem depois.

É filho do tempo.

Vem atrás.



Amor só é vivido devagar.

Ano a ano.

Sem pressa.

Com calma.



Amor é aquilo que fica quando a paixão se vai.

É saudade.

É querer mais.

domingo, 11 de dezembro de 2011

2012 - O ANO DO DRAGÃO


Para o dragão o passado não exerce nenhum fascínio, pois estão constantemente com os olhos presos no futuro. A inquietação de descobrir o que há mais além, amparada numa coragem e num temperamento aventureiro e forte, fazem deles desbravadores e pioneiros, jamais se intimidando com obstáculos ou empecilhos.




Em poucos dias estaremos iniciando um novo ano. 2012 será um ano especial, pois é regido pela figura mítica do Dragão. Na China o dragão representa o imperador ou o grande macho. Simboliza poder, riqueza, padrões elevados e perfeição. Em todas as construções do antigo império chinês pode ser apreciada a imagem do dragão, ela também aparece na roupa dos imperadores e em todas as festas e tradições orientais.



Quando o ano se encerra, é regra geral fazermos um balanço sobre nossas conquistas e derrotas no ano que estamos deixando. E começamos a produzir uma nova lista de objetivos a serem perseguidos e alcançados no próximo ano.



O primeiro dia do ano novo é sempre marcante e altamente simbólico, pois está imbuído de uma energia criadora, uma nova força propulsora que nos guiará em direção aos nossos objetivos, sejam eles simples ou ambiciosos.



Mas afinal, quais são nossos desejos de realização para 2012? O que queremos de verdade?



Cada ano que passa encerra com ele vários aspectos de nós mesmos e deixa registrado em sua "caixa preta" nossos avanços e retrocessos individuais. Para mim 2011 foi um ano extremamente marcante porque consegui realizar metas que pareciam realmente impossíveis. Mudei de país, de casa, de vida. Experimentei novos sabores, novas amizades e minha visão de mundo ficou mais abrangente. Escrevi uma obra nova e li dezenas de autores. Fui mais longe do que poderia imaginar.



É evidente que 2011 também teve seus baixos. Alguns aspectos da minha vida não se renovaram. Cometi alguns erros grandes e fiz julgamentos precipitados. Tive alguns desapontamentos e desilusões. Mas também isso foi importante para o meu amadurecimento. Todos os meus erros estão sendo devidamente anotados e catalogados para que não se repitam no ano que entra.



O mais importante agora é definir o que se quer. Mesmo. De verdade. Do fundo do coração. O que você realmente deseja manifestar na sua vida? Quer melhorar de profissão? Mudar de profissão, talvez? Quer viajar? Quer casar? Quer se separar? Trocar de carro? Engravidar? Montar um negócio? Prosperar? Transformar sua realidade? Manter o que conquistou?



Bote no papel. Faça um mapa da sua vida, anote suas conquistas e suas derrotas. Analise seu meio ambiente. Você vive a vida que sonhou para você? Está satisfeito ou deseja fazer algumas mudanças?



Há pessoas que se estabilizam numa situação ruim e permanecem assim por anos e anos. A vida vai sempre mudando, oferecendo novos milagres, acenando. Mas algumas pessoas não percebem os sinais. São fracas demais para acreditarem nelas mesmas e no potencial adormecido. Para alguns a chegada de um novo ano representa apenas mais do mesmo. Uma eterna rotina que parece nunca cessar.



Mas essa atitude é incompatível com a imponência do Dragão. Quem tiver coragem para ousar vai realizar mudanças profundas apoiadas pela energia de renovação do próximo ano.



Tudo aquilo que não nos serve mais deve ser deixado para trás. Comece a fazer já a limpeza em sua vida. Abra o seu armário, doe as roupas usadas. Telefone para as pessoas que sente saudade, faça uma nova conexão. Afaste-se definitivamente das pessoas que não te respeitam. Corte laços que trazem sofrimento e dor. Tire aquele projeto antigo da gaveta e busque realizá-lo. Tenha novas ideias, construa novos modelos para sua realidade.



Lembre-se que a vida é feita de escolhas. Apenas isso. A vida que nos acontece é a sucessão das escolhas que a gente faz.



Eu já estou fzendo uma verdaeira faxina na minha vida. Estou avaliando meu trabalho, meus amigos, meus amores, minha pesonalidade, meus erros e meus acertos. E haverá revolução. Só vai permanecer na minha vida aquilo que me faz realmente bem e me traz sensação de paz e felicidade. Aquilo que de alguma forma me causa dor, terá que sair.



Oficialmente o ano chinês do dragão inicia-se em 23 de janeiro, mas como somos ocidentais vamos recebê-lo já no dia primeiro, certo?



Façam as escolhas certas e sejam felizes!

sábado, 10 de dezembro de 2011

A JANELA



"Só se fantasia o que não se pode ter na realidade"




Não quero ser apenas uma fantasia no seu conturbado mundo imaginário.

Recuso-me a viver num lugar tão quente como a sua mente.

Quero espaço, quero vida, quero forma, quero tamanho.

Não quero ser uma gota perdida no seu oceano.




Estou novamente de partida.

Cansei desse mundo de sonho.

Não quero ser uma alma penada vagando no seu pesadelo.




E se eu aparecesse em carne e osso na hora do seu almoço?

Haveria um prato para mim?

E se eu enlouquecesse de repente e cruzasse o continente?

Haveria um carro à espera no seu aeroporto?

E se eu levasse os meus pertences e chegasse à luz do dia?

Você manteria as luzes acesas?




Sou de carne, sou inteira.

Tenho uma mente que pensa,

um corpo que sente.

Sou um cálice de água ardente

com uma vida inteira pela frente.




Não vou mais observar nada da janela.

Vou sair à noite,

visitar outros lugares,

respirar novos ares,

ouvir outros sons.




Quem sabe a próxima esquina me surpreenda?

Quem pode dizer o que virá depois?



Sente-se sozinho na ilha da fantasia.

Aguarde que outro milagre aconteça à você.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

O CERTO E O DUVIDOSO



"As pessoas tem medo das mudanças. Eu tenho medo que as coisas nunca mudem".
Chico Buarque




Para: Michele Almeida

Hoje uma pessoa querida escreveu para mim e disse: "Fiz uma revolução total e troquei o certo pelo duvidoso".

Fiquei pensando na frase. O que é tão certo assim que faz do resto duvidoso?

Trocar o certo pelo duvidoso parece-me uma ação que vem direto do coração. Só trocamos o certo pelo duvidoso quando o coração canta mais alto. E se o certo era assim tão certo, por que foi abalado pelo suspeito duvidoso?


Há dois caminhos básicos na vida: o da coragem e o da covardia. Não adianta discutir. Ou a gente é corajoso e enfrenta nosso destino, ou a gente é covarde e vira marionete nas mãos dele.

Quando realizamos uma mudança realmente brusca é porque algo, lá no fundo, não estava bom. A mudança nunca chega do dia pra noite, a menos que seja causada por um terremoto ou um tsunami... Geralmente o germe da mudança começa a dar sinais leves que vão aumentando com o passar do tempo. Pode ser uma sensação de que algo falta, uma frustração ou um desejo que vai criando força.

Às vezes passamos anos lutando contra uma situação ruim, mas não temos coragem para virar a mesa e botar um ponto final nela. Mais uma vez somos covardes. Medrosos. Temos medo de perder algo que já não nos satisfaz. Temos medo do futuro. Temos medo do novo.


A covardia é o pior defeito que um homem pode ter. Está tudo ruim, mas ele fica ali parado, calado, esperando um milagre que não chega nunca.

Olha ao redor e mal entende o que aconteceu com a própria vida. Não está na casa que gostaria, não tem o casamento adequado, não tem a segurança financeira, não tem mais sonhos, não tem mais nada. Tudo o que lhe pertence é a rotina insossa do dia-a-dia. Aquele dormir e acordar que quase mata de tão igual.

E é engraçado porque não se pode culpar a vida. A vida, coitada, está ali acenando para nós com um sorriso novo. Todos os dias ela mostra um novo caminho, uma nova possibilidade. Mas somos medrosos, e regra geral, os medrosos são cegos.

Aí sentam na poltrona velha da sala e ficam pensando no "e se"...

E se não der certo? E se eu me ferir? E se eu fizer a escolha errada? E se não for bem isso? E se não for bem assim? E se ele me deixar? E se ela me deixar? E se eu ficar sem emprego? E se eu estiver me enganando? E se eu me arrepender?

Aí a vida suspira fundo diante do covarde e bate na porta ao lado. O vizinho , todo contente, já espera a revolução há anos. E quando ela chega, o vizinho destemido a encara. E quando encontramos o vizinho no elevador ele parece mais feliz. E nós? Nós somos os mesmos.

Somos os mesmos de sempre. Infelizes, frustrados, mal casados, mal pagos, mal amados, preguiçosos e medrosos. E a nossa vida fica lá, com a mesma cara que a gente tem.

Não dá para saber o que é certo e o que é duvidoso. Às vezes o certo é tão medíocre que não vale nada. E aquela situação duvidosa, aparentemente de alto risco, é o verdadeiro milagre que esperamos em nossa vida.

O patinho feio que é a situação duvidosa pode se transformar num lindo cisne capaz de alegrar e embelezar mais a nossa vida. O duvidoso pode ser mais certo do que aquilo que no momento tomamos por definitvo.

Mas essa é uma conversa para corajosos, os covardes não vão entender. Vão ler o blog e pensar: Mas e se....? Vão ligar a televisão e tomar mais uma cerveja para não pensar.

Só que o tempo corre para todo mundo. E a vida está aí sorrindo de graça, fazendo convites fantásticos para quem for um pouco mais ousado.


E tem mais minha querida, os semelhantes se atraem sempre. O corajoso logo perde a paciência com o covarde e acaba por encontrar um novo par numa dessas festas ousadas que a vida dá.

E quem ficou para trás...azar.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

EXPOSIÇÃO MODIGLIANI EM VITÓRIA: ATÉ DIA 18 DE DEZEMBRO



EXPOSIÇÃO MODIGLIANI: IMAGENS DE UMA VIDA

Palácio Anchieta, Vitória, ES

Terças às sextas: das 09h às 17h

Sábados: das 10h às 17h - Domingo: das 10h às 16h




ENTRADA GRATUITA



Hoje tive o privilégio de visitar a Exposição do pintor Amadeo Modigliani no Palácio Anchieta. A exposição define o percurso artístico e cultural de Modigliani, desde a juventude na Toscana até sua vida adulta na capital europeia da arte do Século XX (Paris).



A mostra conta com diversos desenhos feitos em todo tipo de papel (inclusive pauta cifrada), telas originais, réplicas das esculturas feitas em bronze, documentos pertencentes à família do pintor e cadernetas pessoais de Amadeo.



Toda a visita é guiada por equipe treinada e o visitante fica conhecendo várias peculiaridades da vida do gênio italiano. No final da exposição, não deixe de assistir ao filme de 15 minutos sobre a sua vida e produção artística.



Vale dizer que as réplicas das esculturas foram autorizadas pela filha do pintor, Jeanne Modigliani, que hoje está com 93 anos. É considerado réplica até a oitava reprodução tirada direto do produto original. Após isso os detalhes perdem a força e passam a ser considerados meras cópias do original.



Prestem atenção à vivacidade das cores e a simplicidade dos traços de Modigliani. Contemporâneo à Picasso, Renoir e Monet; Modigliani nunca conheceu a fama. Morreu pobre após ter dedicado a vida e a saúde aos excessos da arte. O artista geralmente está um século à frente do seu tempo, e por isso, nem sempre é reconhecido no meio e tempo em que vivem. É necessário o desprendimento do olhar das futuras gerações para que a obra receba o d evido mérito.



As esculturas originais de Modigliani hoje valem 43 milhões de euros! É triste pensar que o autor desta fortuna incalculável morreu sem ter acesso a nenhum centavo proveniente de sua arte. Porém, o artista verdadeiro troca a vida pela imortalidade. O trabalho de Modigliani não pertence mais ao tempo, mas ao infinito.



Jeanne Hébuterne, sua esposa e musa, também era pintora e algumas de suas telas originais também podem ser apreciadas na exposição. Após a morte de Amadeo, Jeanne atira-se grávida de oito meses do sexto andar de um prédio tamanha é a dor de sua perda. Por esta razão, a exposição não fala apenas de arte e boemia, mas conta também uma história de amor.



Há também alguns pintores de natureza cubista e realista cujas telas originais vieram do Louvre para a exposição de Vitória.

Vale a pena conferir. Lembrem-se de que a arte e a cultura refinam o ser humano, abrem a cabeça, quebram preconceitos e transformam a visão daqueles que a apreciam.