terça-feira, 6 de setembro de 2011

A OPORTUNIDADE NÃO BATERÁ DUAS VEZES À SUA PORTA




"O PIOR DE TODOS OS PECADOS? O ARREPENDIMENTO."

"Todos os dias Deus nos dá um momento em que é possivel mudar tudo o que nos deixa infelizes. É o momento em que um 'sim' ou um 'não' pode mudar toda a nossa existência."
Paulo Coelho


Quantas pessoas passam a vida inteira à espera de um milagre e, quando se defrontam com ele, não o reconhecem? Quantas pessoas dedicam anos às lembranças dos traumas passados sem nunca arriscar um futuro que cure? Quantas pessoas carregam a cruz pesada do arrependimento?


A vida é feita de pensamentos, palavras, desejos , vibrações e escolhas. Acredito sinceramente que atraímos para nossa vida tudo aquilo que se parece com a gente. Todas as experiências que temos reflete quem somos. Não há como escapar. Se prestar bem atenção, verá que a realidade da sua vida foi criada por você mesmo. Não há vítimas do destino e nem um Deus opressor te impondo castigos.

Conheci vários personagens interessantes ao longo da minha jornada pessoal. Algumas pessoas não percebem a contradição do próprio discurso e seguem acalentando utopias, como o vendedor de cristais do Alquimista, que sonhava em visitar Meca, mas no fundo sabia que no dia em que realizasse a viagem, perderia a razão da sua existência.

 
Todas as vezes que desejei de verdade algo, manifestei-o em minha vida. Das pequenas às grandes coisas, nada passou batido. Somos aquilo que acreditamos. Somos aquilo que desejamos. Somos aquilo que criamos.

Tenho ouvido muitos lamentos de arrependimentos ultimamente. Pessoas olhando para trás e dizendo: - Ah, se eu tivesse feito isso, se eu não tivesse feito aquilo...

Mas quando aparece uma oportunidade real de mudanças, capaz de virar do avesso as próprias crenças e desesperanças, essas pessoas recusam a chance, dão um passo para trás, recuam.

Desde pequena escuto que a oportunidade não bate duas vezes na mesma porta. Quando aparecia a chance de algo extraordinário na minha vida e eu, por medo ou insegurança, hesitava em aceitar, minha família dizia: - Se não agarrar esta chance já, ela vai fugir de você e bater em outra porta!


Meu pavor de perder a chance e de não conseguir perdoar a mim mesma pela covardia era tão grande que me movia pra frente. Sempre foi assim.

Quando faço uma retrospectiva fico feliz com as minhas decisões. Não sei se foram todas certas ou erradas, mas falaram alto ao meu coração e é isso o que importa.

Lembro-me quando deixei Santos para estudar em Guarapari, por exemplo. Bastou um telefonema e eu disse sim, sem refletir, ponderar, pensar. Tudo o que eu mais queria naquele momento era concluir os meus estudos e se a vida estava me convidando a deixar tudo o que eu tinha em troca da realização desse sonho, então eu aceitava.

 
Foi o mesmo quando vim para Portugal. Três dias antes de me mudar para Itália (onde tudo deu errado e eu estava sozinha com a passagem na mão), uma pessoa que eu nem conhecia ligou pra mim e disse: - Venha para Portugal, pois aqui eu vou te ajudar.


O meu maior sonho era cruzar o oceano e batalhar pela minha arte, então não pensei duas vezes antes de ir a uma agência de turismo e comprar uma passagem para o Porto, sem saber o que seria da minha vida quando eu chegasse lá.

Não gosto de meio-termos, não sei lidar com isso de jeito nenhum (talvez este seja o grande aprendizado da minha vida), por isso sempre mergulhei de cabeça em busca daquilo que me faz feliz. E sou grata pela minha coragem, pois por causa dela, não tenho arrependimentos.


O arrependimento me persegue apenas quando faço algo que contraria a minha essência. Quando vejo-me conivente com situações que desprezo. Quando, por fraqueza, insisto num caminho que me faz mal. Não tenho medo de deixar tudo pra trás e começar de novo. Não tenho medo do fracasso. Não tenho medo dos altos e baixos da minha vida, pois os encaro há anos. E venço.


Venço sempre porque as minhas metas são claras. A vida, pra mim, é uma guerra cheia de batalhas que a gente vai enfrentando. Às vezes soltam vários leões de uma vez atrás de mim, e temo pela minha integridade. Mas depois lembro de quem sou, e avanço. Sou uma gladiadora da vida que se exibe no coliseu do século XXI sem armaduras.

Se meu leitor estiver em dúvida diante de uma grande oportunidade, meu conselho é para que a aceite. Quando a gente se entrega sem medo em troca de um grande sonho, parece que Deus fica satisfeito e te ajuda. Nossa capacidade de ação é a medida exata da nossa coragem.


Se você estiver estagnado numa situação que te oprime há anos, dê um passo à frente. Aceite a mão que se estende em sua direção. Vá à luta.

O arrependimento é uma doença mortal que vai comendo seu coração e atrofiando a sua mente. É tão grave e nocivo como a depressão, o rancor, a fraqueza moral e a paralisia pessoal.

Não seja manipulado pela opinião alheia, pelo moralismo social, pelas interferências familiares, a língua ferina da vizinhança ou qualquer outro tipo de veneno. Seja apenas você. Faça o que deve ser feito agora. Expresse sua alma, exija respeito e siga seu caminho sem olhar para trás.

Agora, se por qualquer motivo, você não consegue sair do lugar e prefere aceitar as limitações que você mesmo se impõe, por favor, não reclame. Não contamine o ambiente com a sua falta de coragem. E nunca, jamais, sob hipótese alguma, culpe a vida pelos seus fracassos. Lembre-se: tudo aquilo que te acontece, foi por criado por você.

Somos os escultores da nossa vida. Somos responsáveis pela nossa arte. Da mesma forma que Michelângelo decorou lindamente a Capela Sistina, também nós podemos ousar na tela da nossa história. Use mil cores, tente novas técnicas, faça diferente e se realize como homem, mulher, pessoa inteira que você é.

2 comentários:

Claúdia disse...

Gostaria nesse comentário de compartilhar algo que ouvi essa semana e que se coaduna muito com esse mais esse belo texto: "A dor as vezes é inevitável de se sentir. Por vezes não dá para fugir da dor que pode ser causada por um corte, um acidente e etc... Mas o sofrimento nós optamos por dar valor a ele e carregá-lo por nossas vidas, ou, fazemos a opção de não lhe dar tanto valor e exergarmos o que há de melhor na vida e nas derrotas."
Mas amiga o que muitos não entendem é que a derrota, o erro e o fracasso são lições para nos tornamos grandes e não para afundarmos num mar de lamentações E NOS TORNARMOS ESCRAVOS DO SOFRIMENTO E GRANDES VÍTIMAS AO INVÉS DE NOS TRANSFORMARMOS EM GRANDES PESSOAS, e com uma linda borboleta azul no ombro.
Beijos, beijos, beijos.

Tamara Ramos disse...

Obrigada pelas palavras amiga. Eu estava falando sobre isso agora mesmo, tenho certeza de que o sofrimento é uma escolha pessoal, bem como a felicidade. Eu sempre escolho ser feliz, independente das cirscunstâncias e adversidades. A felicidade está ligada ao nosso conceito de mundo. A maioria das pessoas acomoda-se na cadeira da vítima e ficam estagnadas em uma situação ruim. Eu prefiro ficar sem nada do que levar adiante uma situação que me diminua como pessoa ou que tolha as minhas forças. Porque nós somos aquilo que criamos. E se sua vida é um caos total, é porque você pode estar plantando tempestades. A dor é inevitável no processo de individuação. Os cortes (que muitas vezes sangram) são fundamentais para que possamos procurar a cura. O importante é viver com coragem e disposta a abrir mão de tudo aquilo que seja contrário à você.
Bjs