sábado, 29 de maio de 2010

APENAS SEJA VOCÊ



Às vezes me pergunto de onde vem tanta raiva, tanta inveja, ressentimento, infelicidade. Qual o problema dessas pessoas que não conseguem enxergar a simplicidade e a beleza da vida? Estão sempre te olhando com ar de desprezo, tentando aniquilar o que você tem de melhor, destruindo a própria sorte. São seres amargos, criaturas das sombras, perigosas e mortais. Não suportam a luz do dia, muito menos as pessoas que brilham como a luz do sol.


Tive uma semana de paradoxos. De um lado, estive em companhia de uma constelação de pessoas incríveis: Simone Meriguetti, Vicente Bojovski, Penha, e tantos outros parceiros que assim como eu, sonham com um mundo mais colorido, um lugar melhor.


De outro pessoas malignas, invejosas de nosso brilho, tentando ofuscar nossa luz. Pessoas que não conseguem entender que a alegria da coletividade vale dez vezes mais do que o prestigio pessoal. Não faço nada sozinha. Sinto-me às vezes como um maestro que apenas guia uma orquestra de super talentos. Sou apenas um elemento catalizador.


Não quero honras, não quero medalhas, não quero condecorações.


Desejo apenas viver num mundo mais parecido comigo. Quero festa, quero amizade, quero amor.


Conversei com amigos e o conselho que me oefereceram é uma grande lição de vida: Seja você mesmo. Continue perseguindo sonhos, continue realizando, continue andando.
Não vou pedir desculpas por aquilo que sou. Não vou diminuir o ritmo. Não vou desacelerar.


O mal acaba por autodestruir-se porque sua força é uma ilusão que mal se aguenta em pé. A escuridão é apenas a ausência da luz.


Pois que a luz se acenda! E que o mundo ao nosso redor seja uma explosão de brilho, felicidade e amor. E pode ter certeza que vou continuar seguindo o meu caminho sem medo, sem nunca me intimidar.
Tamara Ramos


quinta-feira, 27 de maio de 2010

INAUGURAÇÃO GALERIA DE ARTE




Inauguramos ontem (26/05) a primeira Galeria de Arte de Guarapari, no Espaço da Faculdade Doctum, onde trabalho como gerente comercial. A construção deste espaço é um sonho antigo. Desde os tempos em que era aluna de Direito na unidade, venho sonhando em transformar o espaço num grande centro cultural.


Dizem que quando o sonho provém da alma, o universo se arranja para realizá-lo. Pois foi exatamente esta a sensação que tive ao ver a festa pronta, depois de anos acalentando este sonho e dias de muito trabalho concreto.


Nada teria sido possível se eu não tivesse os amigos e parceiros incríveis que tenho. A Simone Meriguetti, artista plástica e responsável pela manutenção da Galeria, é uma pessoa incrível e realizadora que, ao doar a estrutura física da galeria, deu vida ao espaço.


O curso de Nutrição da faculdade arrasou! As alunas ficaram responsável pelo cocktail servido à noite. Sinceramente, nunca havia visto nada tão requintado! Parabéns à prof. Penha e ao curso de nutrição!

E para coroar a noite, o artista homenageado: Vicente Bojovski (na foto comigo). O Vicente é muito mais do que um amigo querido, mas fonte de inspiração constante para mim. Poeta, pintor, chef de cozinha e uma alma repleta de cores, o Vicente foi o homenageado exclusivo da noite. A exposição de suas telas coloridas e vivas inspiradas na mistura de sua terra natal, a Macedônia e o nosso amado Brasil, explodem em tons de azul, paisagens marinhas e jardins floridos de uma beleza estonteante.

Estou muito feliz com o resultado da festa e gostaria de agradecer publicamente a todos os meus amigos e parceiros: OBRIGADA!.

domingo, 23 de maio de 2010

PALAVRA ENCANTADA



Já imaginou se as palavras tivessem tal força capaz de materializar os personagens de uma história? Já imaginou se a cada vez que alguém lesse um conto para uma criança a própria história criasse vida?


Já imaginou ter Rapunzel ao vivo na sala de estar sempre que recitasse certas palavras?


Pois a autora do filme "Coração de Tinta" (Inkheart), Cornelia Funke imaginou. E escreveu uma história de aventura fantástica baseada neste delicioso devaneio.


O filme mostra o drama de um homem possuidor de um estranho talento: fazer aparecer em carne e osso os personagens da literatura infantil toda vez que conta uma história em voz alta.


Rodado numa cidadezinha medieval, com paisagens belíssimas e muita fantasia, este filme encanta crianças e adultos e conta com atores ingleses de primeira grandeza nos papeis principais.


Para quem anda buscando inspiração para contar uma boa história, este filme é um prato cheio. Assim como "Alice no País das Maravilhas", Coração de Tinta nos leva de volta à infância trazendo à tona as mais doces recordações.


Vale a pena conferir!

INFINITA MANHÃ


A luz do sol impregnou-se dos meus cabelos negros à margem da vila azul. Caminhei só pelas areias do mundo. Havia algo resplandecendo em mim. Um desejo súbito de expandir a vida. Vagar pelo céu, permanecer muda em inóspitas paisagens. Reencontrando antigas frestas, abrindo feridas. Algumas crianças cantaram para mim a música das mães. O oceano à frente convidativo dizendo: venha! Sempre fui. Sempre fui seguindo o ritmo esnobe das ondas brancas. Mergulhei meus pés nos corais caribenhos. A minha imaginação. Conheço o mundo inteiro porque leio livros. E sonho quando durmo. E invento histórias para mim. O sol mais vivo sorriu esta manhã. E meu tempo pareceu infinito.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

TRAGA-ME DE VOLTA


Traga-me de volta à superfície lisa,
estou farta de entranhas,
este esgoto abissal,
este mar de lama.


Cadê aquela frase prometida de efeito?
Por que já não faz efeito algum?


Fui cansando assim de andar a esmo,
sem direção, sem noção do tamanho,
flertando com minhas sombras
relembrando momentos perdidos ,
longe de casa,
alma cigana.


Mas a luz do sol que queimava meus olhos tristes,
sentou-se à espreita.
Aguardando o momento previsto a lançar-me serpentes,
desfigurando o destino.


Pensei ter ouvido um lamento vermelho vindo de lá,
onde as cores espantam o frio.
Mas era ilusão.
Eu estava só.


Como um rio que congela no inverno,
meu amor derreteu à luz de um encanto.
Nada mais era meu.
Nem eu.


Traga-me de volta à vida de partidas,
empurre meu infinito para longe,
como quando éramos pequenos e tolos.

Faz calor agora que amanhece,
minha pele estremece de fome,
mais um gole de chá,
e desisto de todos os nomes
que puseram em mim.

terça-feira, 18 de maio de 2010

ENCONTRO DE ARTISTAS EM GUARAPARI


A fala acelerada lembra meu próprio discurso. A escolha do roxo foi pura coincidência. Mas o encontro de duas almas artistas jamais se dá por acaso!
Simone Meriguetti é minha grande parceira no circuito das artes. Ela ficará responsável pela Galeria de Arte que estamos montando em Guarapari. O espaço será batizado com o seu nome e contarei com ela para a manutenção e expansão da galeria.
Esta tarde nos reunimos para acertar os detalhes. Tudo praticamente pronto. Mas o assunto rendeu. E aí já viu... a gente chega na casa dela e vai sentando e vai ficando. E vai embora com a cabeça cheia de cores.
Obrigada pela parceria Simone!

segunda-feira, 17 de maio de 2010

AMANHÃ É UM DIA BOM


O telefone tocou às sete e meia da noite de uma sexta-feira infame onde nada acontecia. Eu estava parada olhando pro nada, aquela cara de cansada meio entendiada irritada com o barulho bobo que vinha da rua. Havia passado a tarde lendo livros antigos, uma história cujo final eu já conhecia. Mas o texto de um dos autores apresentava uma narrativa rítmica, algo que inspirava um pouco meu próprio estilo. Atendi ao telefone descrente achando que era a mesma conversa de sempre. Do outro lado uma voz estranha se esforçando em parecer natural. Aquele convite até que me convinha, pois de uns anos para cá passei a ser um pouco interesseira. Não é algo que se revele assim do nada, a quem não se conhece. O fato é que se eu não fosse ganhar nada com aquilo melhor mesmo era continuar em casa. Está bem, eu vou. Concordei desanimada. Troquei a roupa amassada por algo preto que bem me caía. Um pouco de rímel, um batom meio fora de moda, mas que ainda combinava com a minha cara. Estou sempre um pouco atrasada para estas festas onde o que dá mesmo é gente mais velha. Aliás, ultimamente tenho refletido sobre a velhice. Sempre fico deprimida observando mulheres mais velhas botando banca de menina. Brigitte Bardot revelou que não deixa exposta nenhuma fotografia dos tempos em que era sex symbol. Segundo ela esta recordação é dura demais. Os homens eram escassos no local. Os poucos que ali estavam também eram velhos mas achavam que não. Daí ficava aquela situação um tanto obscena, o homem ao lado da esposa coroa, mas flertando disfarçado com a menina que jantava ao lado colada ao namorado que nada percebia. A música trazia de volta lembranças dos meus avós, os quatro falecidos. Era uma mistura de bolero com tango de bailarina que me deu um pouco de dor de cabeça. Talvez eu já estivesse com dor de cabeça antes da festa porque ando fumando mais do que devia. Acho que meu estômago também estava vazio, pois quando tomo café tarde não almoço. A amiga que estava comigo não parecia incomodada. Disse que achava graça em ver o grupo da terceira idade fora de casa levando a vida. A mim pareceu excessivo, mas achei deselegante comentar. A festa acabou tarde pro meu gosto, meu corpo só queria água quente e banho maria. Mas o pior foi lidar com minha cabeça que ainda doía. Eu sugeri que fôssemos embora mais cedo, mas eles fingiram não ouvir. Todo mundo tava meio animado ou fingindo que tava. Aí cheguei em casa e não havia nada para fazer. Eu estava cansada de me distrair com aqueles livros antigos que havia começado a ler na parte da tarde. Amanhã é um dia bom para sair. Vai ver o problema estava mesmo no calendário. Mas não sei se vou atender ao telefone se ele tocar no mesmo horário. Talvez eu não seja boa companhia. Vai ver é melhor ficar em casa.
Tamara Ramos

domingo, 16 de maio de 2010

REINVENTANDO O BLOG


Quem me acompanha sabe o quanto me realizo e me revelo através deste blog. É mais do que um diário virtual. Para mim funciona como um laboratório aberto onde testo palavras, ouso conceitos, extravaso ideias e exponho pensamentos.


E para minha surpresa, o blog tem atraído muitos leitores desde o momento em que caiu na rede. A atividade da escrita sempre foi terapêutica para mim. Analiso minhas neuroses enquanto escrevo. Analiso meus erros e meus acertos. Conto tudo, guardo muito pouco só para mim.


Esta semana Gustavo Maioli e eu demos uma revolucionada no blog. Ele está de cara nova porque eu também estou entrando num novo momento. Estou com novos desafios no campo da literatura e novas perspectivas nesta área.


Quero compartilhar com o meu leitor todas estas novidades. Sempre digo que, para tornar-se um escritor, primeiro você deve ser um bom leitor.


Tenho lido muita coisa nova. Autores brasileiros, franceses, chilenos, espanhóis, ingleses. E quero dividir a minha biblioteca com você, meu leitor.


O blog está de cara nova. Eu estou com ideias novas. Tudo está em constante processo de mutação. E é me virando do avesso que aprendo a entender mais um pouco sobre mim mesma e sobre a vida incrível que nós todos vivemos.


Portanto, se quiser desconstruir antigos conceitos, encontrar palavras de afeto e de ira, ter companhia nos seus bons e nos seus maus momentos: entre e fique à vontade!


Obrigada.

Tamara Ramos

ACHO QUE VI O COELHO DA ALICE


Pelo mesmo buraco que Alice desceu. A mesma oportunidade de inverter a ordem dos fatos. Inventar uma identidade. Perder-se e reencontrar-se. Não sou mais aquela criança assustada que odiava a escola. Mas a sombra da menina que fui permanece ao meu lado. Somos muitas. Estamos atentas. Tudo ao mesmo tempo agora no momento da escolha. Para que lado seguir? Tic tac. Para onde ir? Tic tac. Vencer ou partir? Tic tac. O tempo não para os minutos da casa. Um súbito estrondo. Um mundo de cores. Tic tac. Inverno, verão, um sábado à tarde. Tic tac. Acho que vi o coelho da Alice. Tic tac. Uma saída imaginária. Conheço o destino. Tudo fora do lugar. A minha vida insossa. Tic tac. Os meus devaneios invertendo a ordem dos fatos. Tic tac. Permanece ao meu lado. Tic tac. A criança que fui. Tic tac. Uma porta de entrada. Uma rota de fuga. Uma ideia abstrata.

O ALVO




Atire-me pelas costas quente,
fazendo um buraco profundo
em minha santidade plana.
Mãos ao alto!
Nem um grito,
um tropeço no asfalto,
sobre o salto.


Atenha-se aos seus compromissos,
não se atrase,
não se acanhe.
Um gole antes de dormir,
festa estranha.


Eu estou no seu alvo,
presa fácil,
não mordo ou arranho,
falta tato,
falta tamanho.


Uma bala com meu nome,
um tiro certo,
a contragosto me apanha.


Falei que era tarde demais,
não sou pra você,
não faço campanha.
Troco tudo por um passaporte vermelho,
quebro o espelho,
desço a montanha.


Palavras simples, eu sei.
Simples demais,
nada demais,
consumo letras banais,
carrego nas cores,
não gosto de rimas,
sigo em frente,
corro atrás.

Mas se a poesia deve ser algo mais,
o poeta padece numa encruzilhada.

Escrever o que pensa,
escrever o que agrada,
escrever outra coisa,
escrever sobre nada.

Se não sou eu quem me revelo aqui,
retirem meu nome.
Recolham a artilharia,
devolvam a arma.


Há uma bala destinada a mim.
Em questão de dias,
ela pode me acertar.

quarta-feira, 12 de maio de 2010

O QUE ALMODÓVAR DIRIA?



Hoje vou fazer uma confissão aos meus leitores. Se minha agente literária não fosse tão parecida comigo, me ligaria amanhã recriminando minha postura. Mas a Diana é uma mulher incrível e, por isso, vai entender o meu desabafo.


Tenho amigos que acompanham minha tragetória e tenho leitores que não conheço. O blog é uma janela aberta onde todo mundo pode dar uma espiadinha indiscreta. Considero todos parceiros.


Meus amigos conhecem minha história. Sabem que as palavras são minha verdadeira paixão. É através delas que me expresso. É minha voz em alto e bom som.


Sou péssima em guardar meus próprios segredos. Exponho tudo. Falo demais. Minhas vitórias e minhas tragédias acabam em poesia. Não sei fazer diferente.


Pois bem, todos os meus amigos sabem que meus livros estão sendo avaliados pelas editoras brasileiras. Mas nem todos sabem que venho acumulando nãos.


Não, sua poesia precisa ser aprimorada. Não, sua poesia não parece com os textos da Florbela Espanca. Não, os leitores não leem poesias. Não, você deveria escrever romances. Não, suas palavras são simples demais. Não, não publicaremos sua obra.


Sim, os críticos são excelentes em julgar e condenar a obra de todo autor que não seja espelho deles mesmos.


Sinceramente, não sei como posso aprimorar meu estilo. Devo usar palavras rebuscadas como Machado de Assis? Devo falar mais das estrelas como fazia Olavo Bilac? Devo permanecer infeliz como Fernando Pessoa? Devo falar menos? Devo falar mais? Devo falar sobre o quê?


Minha poesia traduz o que sou. O que faço então? Mudo de opinião? Passo a mentir? Desisto das palavras? Desisto de mim?


O blog está cada vez mais vivo. Este blog está sendo celebrado. Tenho leitores que me acompanham. Alguns seguidores. Recebo e-mails. Recebo os parabéns. Recebo pessoas.


Amo Almodóvar. Assisti a todos os seus filmes. Conheço sua história. Conheço a quantidade de nãos que ele acumulou até o dia em que se rebelou e montou sua própria produtora porque ansiava pela liberdade total e absoluta de sua expressão.


Pergunto a mim mesma: - O que Almodóvar diria? Qual seria seu conselho para mim? Será que ele me apoiaria a prosseguir ou diria para que desistisse de ser assim meio do avesso?


Eu nunca vou saber a opinião de Almodóvar. Vou ter que tomar minha própria decisão. E então Tamara, você vai fazer o que?


Eu tenho uma única resposta para esta pergunta. Terei que dizer a mim mesma que devo prosseguir. Não há alternativa.


Gostaria de pedir desculpas aos meus críticos. Lamento senhores, mas não sei como agradá-los. Vou continuar escrevendo minhas palavras simples. Vou prosseguir dilacerando as palavras dos seus dicionários obtusos. Vou continuar contando minhas próprias histórias do jeito que achar melhor.


Ninguém é obrigado a ler.



Tamara Ramos

domingo, 9 de maio de 2010

POR QUE TENHO LEITORES?



Tenho notado um crescente aumento de leitores deste blog. O número de visitas já ultrapassou os nove mil e cresce a cada dia. Isso me levou à seguinte pergunta: por que tanta gente se interessa em ler o que publico aqui?

É tudo tão pessoal, íntimo. E, aqui entre nós, eu não sou exatamente o tipo de pessoa convencional. Minha vida transita entre a ordem e o caos. Meus pensamentos são contraditórios. Mudo de ideia, mudo de roupa, mudo de vida, mudo de estilo, mudo de casa, de namorado, de música, a todo instante. Não me estabeleço, não me canso, não me desculpo, não sou santa.

Por que tanto interesse?

Há um lado obscuro em mim. Algo que não entra na caixa, que não me prende, que não me amansa.

Fui uma adolescente meio punk, rebelde, vestida de preto, amante do cheiro de fumaça, destemida e desarmada. Fui além. Fiz coisas que você não aprovaria. Fiz coisas que não servem de exemplo. Fiz tudo e não fiz nada.


E este lado rock'n rolla ainda é vivo em mim. Me meto em confusão, confundo pessoas, mergulho em diversos mares, não sinto pena de mim mesma, nem de ninguém.


Afinal, cada um traça seu próprio caminho. Cada um é responsável pela escolha que faz.

Eu sempre escolho rotas opostas e acabo me perdendo entre os dois caminhos.

Não sei mentir, não sei fingir, não sei camuflar respostas. Sou boa. Sou má. Posso ferir e posso amar. E posso esquecer, caminhar, sobreviver a você.


Por que diabos estou angariando leitores? O que de fato vocês estão encontrando aqui?


Dizem que as pessoas amam o rock porque ele liberta. Talvez eu seja assim.

Uma escritora punk, que não consegue escolher porque as opções são infinitas. E divertidas. Talvez meu texto traga algo da máfia, algum segredo nas entrelinhas, alguma revolta.


Dizem que o artista tem a alma livre e utiliza a própria tragédia para contornar sua arte. Como diria Bob Dylan: she is an artist, she don't care.


O fato de eu ter leitores me agrada e me assusta. Nunca tive problemas em lidar com minhas próprias sombras. Mas compartilhá-las? É interessante.


Eu não vou mudar. Não vou ficar careta da noite pro dia. Não vou me ajustar.

Mas haverá momentos de paz. E meus escritos poderão te consolar.

Seja como for, obrigado por ser meu leitor.


Tamara Ramos

quarta-feira, 5 de maio de 2010

PELO MESMO BURACO QUE ALICE DESCEU



Pelo mesmo buraco que Alice desceu.
by Tamara Ramos



Girando, caindo, rodando,
pelo mesmo buraco que Alice desceu.
Tudo fora do lugar,
lugar maior do que eu.
E eu que costumava andar erguida,
me viro do avesso,
de ponta cabeça,
do final ao começo.


Não sei mais o que é real,
dormindo posso voar.


Sinto saudade de você,
mas estou melhor agora,
em outra companhia,
na companhia de mim mesma.


E o buraco que Alice desceu continua escuro,
impossível prever o que vem,
não enxergo o fim do túnel,
não vejo ninguém.


Girando, caindo, rodando,
pelo mesmo buraco que Alice desceu.
Tudo fora do lugar,
lugar maior do que eu.
E eu que costumava andar erguida,
me viro do avesso,
de ponta cabeça,
do final ao começo.

terça-feira, 4 de maio de 2010

UM SEGUNDO A MENOS



Ao meio-dia exposta sob a luz da lua, holofote orgânico. Não me cubro, não me iludo, não me engano. Falando alto ao telefone com o mesmo alguém. Cinco palavras. Um momento de raiva. Não me embalo para presente, não me entrego à luz do dia, não conto nada a ninguém. Desconfio dos discursos prontos. Desprezo a mudança de humores. Não me imponha regras antigas. Não me explique. Não me chame. Me leve pra outra festa. Me conte novas mentiras. Me inflame.
Não pertenço ao clube que frequenta. Não me importo. Não me enquadro. Quero mais da mesma vida. Quero chama. Quero fama. E tanto faz se isso te agrada ou afasta. Problema seu. O tempo é meu. E faço de cada segundo um minuto a menos vindo ao meu encontro. Conto os dias, conto histórias. Um cigarro de menta, um livro fechado, uma mala aberta. A casa vazia. Esta sou eu.
Tamara Ramos

domingo, 2 de maio de 2010

FESTA DE CASAMENTO X VIAGEM À PARIS




"Você só pode estar certo deste momento que está em suas mãos. Todas as promessas sobre o amanhã são mentiras - e o casamento é uma promessa para toda a vida."

OSHO

Alerta especial ao meu pai:

Pai, pare de ler meu blog ou aceite minhas ideias sem medo. Não me escreva amanhã dizendo que está preocupado comigo!


Tenho uma mãe divorciada, uma prima divorciada 2 vezes e uma mal casada, 10 amigas separadas, uma amiga casada e infeliz, uma amiga casada e frustrada. Tenho uma amiga que disse: eu fiquei casada por 17 anos, meu marido ficou 5. E tenho outra que nunca conseguiu casar e não consegue ver o tamanho da benção que é sua liberdade.


Eu mesma tive muitos namorados e uma tentativa frustrada de casamento.


Há algum tempo venho me reunindo com minhas amigas divorciadas e mal casadas para discutirmos a questão do casamento. Por que é tão difícil fazer com que dê certo? Será que há algum segredo oculto nos casamentos que duram mais de 20 anos? Os que duram mais de 30 então... deve haver um arsenal de segredos (ou mentiras).


Nesta minha busca por um melhor entendimento sobre as relações afetivas acabei me deparando com o "O Livro da Mulher" de Osho. Sim, Osho, aquele guru meio doido da Índia.

Pois bem, lendo o livro (aliás devorando) descobri que o cara não tem nada de doido. Na verdade, o indiano é um gênio! Mulheres: Leiam OSHO!!

Para começar, e agora os homens que me perdoem (incluindo meu pobre pai), as mulheres são muito superiores aos homens.


Reparem nas crianças. As meninas são mais dóceis, gostam da boneca bonita, das roupas coloridas, de perfume, papéis de carta decorados, sorriem uma para outra, são carinhosas com os animais e choram à toa. Agora observem os meninos. Filme de luta, video game, carrinhos e toda a sorte de coisas violentas e bobas. Coloque um menino e uma menina brincando juntos e em pouco tempo verá a menina chorando por causa de alguma atitude estúpida inerente ao sexo oposto.


Os homens são meio bobos. Repare na conversa masculina. Futebol, mulheres (nunca sobre a essência feminina, eles só conversam sobre nossas bundas mesmo), cerveja, carros, dinheiro e uma infinidade de piadas infames que só tem graça entre eles.


O homem quando tenta impressionar uma mulher até se esforça para ser mais decente. Mas na segunda semana de convívio deixa escapar uma enxurrada de absurdos! É fatal.



Mas a natureza é meio sarcástica e criou o truque da atração dos opostos para se divertir com isso. Aí começam os problemas. Homens e mulheres se atraem, mas não combinam!


Para piorar a situação, veio a igreja católica e disse que o casamento deveria ser uma instituição eterna e que a aliança entre o casal era feita no céu. Céu??!! Que céu, meu deus?



Agora você já pode visualizar o quadro: o homem com suas bobagens e a mulher cheia de boas intenções vivendo juntos e dividindo o mesmo quadrado. A mulher acha que deve cuidar do homem (não meninas, não somos mães deles!) e o homem acha tudo aquilo entediante e começa a flertar com a secretária do escritório.



Pronto! A guerra começou. O homem diz que a mulher não é mais a mesma de antes do casório e a mulher chora de tristeza porque não consegue reproduzir o modelo do casamento de papai e mamãe!



Minha prima querida, preste atenção. Não estamos loucas porque estamos felizes com nossos trabalhos, com nosso dinheiro e com nosso tempo livre. Você está certa em não caminhar para o 3º casamento.



Por que raios a mulher se sente culpada quando está satisfeita com a vida que tem? Não leitores, não penso em me casar tão cedo. E não, lá no fundo, bem no fundo, não tenho muita paciência com crianças.
Minha sugestão é: namorem, mas não casem! O casamento mata o romance, acaba com o mistério e o charme de qualquer relação.


É o seguinte prima, que tal uma viagem à Paris? Hoje um amigo me perguntou qual era o meu maior desejo agora. Pensei, pensei, pensei. Aí respondi: sabe de uma coisa? Eu adoraria visitar Paris!


Entre gastar meu dinheiro com uma festa de casamento que tem tudo para dar errado e fazer as malas para embarcar numa viagem à Paris fico, sem dúvida alguma, com a segunda opção!


Já imaginou eu, brasileira, linda, leve e solta em Paris? É isso mesmo que você está pensando! Vou me divertir muito, flertar com os charmosíssimos homens franceses e voltar para casa cheia de fotos e um orgulho arrebatador de mim mesma por ter feito tudo sozinha. Quem pode ter algum problema passeando tranquilamente pelas ruas de Paris?
Entre a Torre Eiffel e um marido, fico com a Torre Eiffel!



Para quem ainda está na dúvida sugiro que medite sobre as seguintes leis de Murphy:


1) Salvar um casamento do divórcio: o único jeito é não comparecer ao casamento;
2) O casamento é um anel de três voltas. Uma volta é a do noivado, outra do casamento e a outra é a da revolta;
3) O casamento faz o mundo dar voltas, assim também como um soco no nariz.



PENSE POSITIVO




Injete certeza nos seus sonhos mais íntimos! Tudo pode acontecer. Eleve seus pensamentos às alturas do céu infinito. Creia, acredite, espere para ver.


A vida tem me guiado por caminhos interessantes. Quando tudo parece perdido, mais um milagre! Vários insights surgem nos momentos de silêncio e contemplação. Sugiro que tire um dia para ser sua própria companhia.


Como leitora, sempre tive obsessão pelo conhecimento. Leio de 4 a 5 livros por semana. Não tenho preconceitos com livros. Leio biografias dos pintores boêmios, Picasso, Modigliane, Cézanne; leio os poetas de ontem, Pessoa, Neruda, Yeats; leio os pensadores clássicos, Maquiavel, Platão, Aristóteles; leio livros de autoajuda, O Segredo, Quem Somos Nós, A Chave Mestra; leio manuais técnicos de Propaganda e Marketing e toda a sorte de histórias assistidas ou inventadas.
Não tenho absolutamente nenhum preconceito.

O que descobri por meio de minhas leituras é que o homem é uma criatura fascinante capaz de criar diversas realidades. Somos todos únicos na essência e na geografia.

O que altera a nossa realidade é a forma que damos ao nosso pensamento. Sim, você é aquilo que acredita ser.

Portanto, aproveite este domingo para definir novas metas. O que realmente quer da vida? Dinheiro, fama, amor, poder? Você tem fome de quê?

Uma vez definido o objetivo, mantenha o foco. E espere para ver.

Tamara Ramos